Caderno Especial: Contact Centers

A tendência de subida da facturação do sector prolongou-se no último ano, com um valor estimado a rondar os 470 milhões de euros, de acordo com o estudo Sectores Portugal “Call Centers” publicado pela Informa D&B. Conheça na edição de Novembro como a Randstad, a TAP e a Vodafone têm investido nesta área.

Randstad
Com cerca de 12 mil colaboradores nos vários sectores de actividade, a Randstad faz um balanço positivo e cheio de inúmeros desafios dos 16 anos de vida da Randstad Contact Centres, a área de negócio da multinacional que desenvolve toda a experiência e ciclo de vida do cliente, da venda ao customer care, passando pela retenção.

TAP
Têm sido muitas as companhias aéreas que nos últimos anos têm optado por sistemas de contact center em outsourcing ou sistemas mistos que permitem menos custos fixos e menor rotatividade. Perante um sector que está em constante evolução, a TAP acentua a qualidade e a rapidez do serviço como características diferenciadoras.

Vodafone
Proporcionar a melhor experiência aos clientes é o enfoque principal dos Contact Centers da Vodafone. A eficiência do serviço, a flexibilidade no processo, a formação e a qualidade dos assistentes que asseguram o contacto directo com os clientes são quatro pilares importantes na gestão deste serviço. «Sendo, determinantes para o sucesso do mesmo», assegura fonte da operadora de Telecomunicações.

Leia os casos na íntegra na edição de Novembro da Human Resources.

 

Recomendar
  • gplus
  • pinterest

Comentar este artigo

*