Gerir a mudança enquanto se faz a fusão

No dia 1 de Junho nasceu uma grande empresa, a Infraestruturas de Portugal, e com ela emergiu um novo paradigma de negócio e de relação com o cliente nos sectores da acessibilidade rodoviária e ferroviária.

Por Rosário Rocio e Paula Rodrigues

A história conhecida da fusão EP/REFER começou a 3 de Abril de 2014, quando o Conselho de Ministros fez aprovar o “PETI – Plano Estratégico dos Transportes e Infraestruturas. Horizonte 2014-2020” e deu nota de que se encontrava a estudar a viabilidade e interesse deste processo.

Pouco mais de um ano passado, a nova empresa Infraestruturas de Portugal está no mercado, e com ela surgiu um novo paradigma. Três datas formais marcam a urgência do projecto: a 6 de Agosto de 2014 temos a criação da Comissão de Planeamento, incumbente dos trabalhos preparatórios à fusão jurídica; a partir de 1 de Janeiro de 2015 temos a administração conjunta EP/REFER; e a 1 de Junho de 2015 temos o nascimento da empresa IP.

Passados seis meses da data inaugural da empresa, eis o primeiro balanço: a estrutura organizacional está estabilizada e todos os serviços se encontram em funcionamento.

Leia o artigo na íntegra na edição de Janeiro da Human Resources.

Recomendar
  • gplus
  • pinterest

Comentar este artigo

*