A Quarta Revolução Industrial

Imparável, inevitável e incontornável são alguns adjectivos que surgem quando falamos na Quarta Revolução Industrial. A Era Digital emerge ditando uma mudança de tudo o que temos conhecido até aos dias de hoje.

Por João Meneses, consultor da My Change

 

O mundo está a mudar e com ele, inevitavelmente, mudam velhos hábitos e maneiras de pensar, dando lugar a novas e diferentes formas de estar. O mesmo acontece no meio organizacional.

Decorrente das profundas transformações que invadem a nossa sociedade, também as empresas sentem a necessidade de se adequarem ao novo meio onde se encontram. Esta capacidade de adaptação será, por isso, um indicador que ditará o sucesso de qualquer organização e, consequentemente, de qualquer colaborador, materializando, no último caso, uma métrica pessoal a ter em consideração.

A passagem por diferentes períodos económicos revela-nos que investir no que sempre funcionou não aumentará a produção. Na Era Agrícola, a terra era um recurso explorado pelo clero e pela nobreza e, que por ser tão escasso, era tão valioso. Após a primeira Revolução Industrial, houve uma mudança de paradigma: as terras perderam valor dando lugar ao capital monetário – também este um recurso escasso explorado, maioritariamente, por bancos e grandes organizações.

Como será, então, o futuro com a Quarta Revolução Industrial? Quem serão os players que controlarão os tempos vindouros? A resposta é simples: empreendedores e indivíduos capazes de resolver problemas complexos e criar sistemas e processos inovadores.

No entanto, e apesar de todo este conhecimento, infelizmente a nossa mentalidade pode ser um verdadeiro factor limitador do progresso e da mudança.

Será que alguma vez parámos para pensar sobre como o mundo mudou nos últimos 10 anos ou como as mudanças foram tão diferentes face à década anterior?

Actualmente, e como resultado da globalização, o mundo encontra-se conectado e tudo o que foi possível tornou-se digital ou está em processo de transformação.

É por isso que algumas empresas, sistemas políticos e a educação são exemplos de sistemas tremendamente desactualizados. Estamos todos a falhar. Falhamos quando somos resistentes à mudança, quando demonstramos medo face ao desconhecido. Ao negarmos a volatilidade de tudo o que nos rodeia, estamos a adiar o inevitável: o nosso futuro.

E porque não começarmos esta preparação hoje?

Embora a liderança esteja consciente do actual período de transição, os grandes decisores estão a negar a importância que deve ser dada ao incorporar a adaptabilidade no dia-a-dia das organizações e na sociedade em geral.

Não podemos sustentar modelos onde as pessoas estejam organizadas por divisões inflexíveis, cada um actuando pelo seu próprio interesse, protegendo as suas ideias ou resolvendo apenas os seus problemas.

A missão dos líderes deve passar por diminuir as barreiras ao empreendedorismo e remover alguns dogmas que atrasam o desenvolvimento das suas pessoas. A colaboração, a aprendizagem colectiva e a experimentação devem ser incentivadas a todos os níveis.

São os líderes que devem assumir esta mudança, em que a capacidade de adaptação é imprescindível. É importante lembrarmo-nos de que o que funcionou no passado, depois deste período de transição, não é o que vai funcionar no futuro.

Como sociedade, precisamos de ser capazes de ensinar e de aprender a ser adaptável e flexível. Esta deve ser uma das métricas mais importantes para as empresas e os seus colaboradores.

É assim a Quarta Revolução Industrial.

 

 

 

Recomendar
  • gplus
  • pinterest

Comentar este artigo

*