Como vai evoluir a contratação em Portugal no último trimestre do ano?

O ManpowerGroup Employment Outlook Survey para o terceiro trimestre de 2017 revela que a contratação irá continuar a crescer em Portugal, com o Turismo, as Grandes Empresas e a Região sul do País a registarem as projecções mais fortes para a criação líquida de emprego no período entre Julho e Setembro.

 

O estudo do ManpowerGroup, realizado com base num inquérito a uma amostra representativa de 625 empregadores em Portugal, revela que os empregadores manifestam intenções de contratação optimistas para o terceiro trimestre de 2017, com especial destaque para os ligados ao Turismo (sector da Restauração e Hotelaria), que fazem uma projecção para a criação líquida de emprego de 29%, seguidos pelos empregadores dos sectores de Finanças, Seguros, Imobiliário e Serviços, também com uma projecção bastante favorável, na ordem dos 23%.

Em termos gerais, o estudo do ManpowerGroup revela que 15% dos empregadores portugueses inquiridos prevêem um aumento de contratação no terceiro trimestre deste ano, 3% antecipam uma redução e 79% consideram que não haverá alterações nos níveis de contratação, o que se traduz numa projecção para a criação líquida de emprego de mais 12% no período em referência (dois pontos percentuais mais alta do que no trimestre anterior).

Perspectiva-se, assim, que neste período a contratação aumente nos nove sectores de actividade considerados no inquérito. Para além dos sectores já referidos, também os empregadores do sector do Comércio Grossista e Retalhista reportam perspectivas de contratação muito optimistas, de 19%, enquanto outras previsões assinaláveis de crescimento acompanham o sector de Transportes, Logística e Comunicações e o sector Público, com 14% e 10%, respectivamente.
O sector mais cauteloso nas projecções é o sector de Fornecimento de Electricidade, Gás e Água, com uma previsão de apenas 2%.

Em comparação com o trimestre anterior, as previsões de contratação melhoram em seis dos nove sectores identificados. Contudo, as previsões decrescem em três sectores, incluindo o de Agricultura, Florestas e Pescas, em que os empregadores revelam uma previsão que retrai nove pontos percentuais e o sector de Fornecimento de Electricidade, Gás e Água onde se prevê um decréscimo de seis pontos percentuais.

O estudo revela ainda que, não obstante os empregadores nas três regiões (Norte, Centro e Sul) anteciparem um aumento da contratação durante os próximos três meses, as melhores perspectivas são as dos empregadores a Sul, que projectam uma criação líquida de emprego de 21%. Tanto no Centro como no Norte é antecipado um aumento de 11% e 10%, respectivamente.

As projecções para a criação líquida de emprego apontam para um crescimento maior, de 21%, nas Grandes Empresas, e um crescimento sustentado e estável, de 14% e 13%, respectivamente nas Pequenas e nas Médias Empresas. As Microempresas também prevêem crescimento, embora mais baixo, de 8%.

Internacionalmente é esperado que o emprego continue a crescer. A maior projecção é reportada no Japão (+24%) e Taiwan (+24%), os empregadores de Itália reportam as projecções mais baixas (-2%) para o terceiro trimestre.

 

Veja também estas notícias.

Recomendar
  • gplus
  • pinterest

Comentar este artigo

*