As soft skills como ingrediente de sucesso

Porque as soft skills foram identificadas pela União Europeia como uma das cinco competências chave para a empregabilidade, damos início a uma rubrica especial em que apresentamos as seis soft skills que constituem o percurso formativo Skills Jovem.

 

De acordo com vários estudos europeus, quase metade dos jovens recrutados têm maus resultados nos primeiros 18 meses de trabalho e apenas 11% dos insucessos se devem à falta de hard skills.  Se as competências técnicas não são o problema, então qual é? O problema são as soft skills, ou seja, as competências interpessoais.

De acordo com o mesmo estudo, 26% das pessoas não aceita feedback, 23% demonstram falta de inteligência emocional, 17% não se sentem motivados pelo trabalho e 15% têm personalidades que não se adaptam à função. Em Portugal, à semelhança dos outros países europeus, as fracas soft skills são também a principal lacuna identificada entre as competências desejadas pelos empregadores e as possuídas pelos recém-licenciados.

Ter uma boa nota no curso e competências técnicas fortes já não é suficiente.  As soft skills são a base para relações de trabalho fortes e de cooperação. É fundamental que os colaboradores se relacionem bem entre si, que saibam comunicar bem com os clientes, consumidores ou utentes, e com todos os parceiros de negócio. Todas as profissões necessitam de pessoas que saibam resolver situações difíceis, que sejam empáticos, que compreendam diferentes perspectivas e pontos de vista, que sejam produtivos em equipa e actuem como agentes de mudança.

 

Leia o artigo na íntegra na edição Julho/ Agosto da Human Resources Portugal.

 

Veja também estas notícias.

Recomendar
  • gplus
  • pinterest

Comentar este artigo

*