Estão a ser criadas mais empresas em Portugal

De acordo com o Barómetro da Informa D&B, já foram criadas 34 292 empresas em 2017, mais 8,6% que no período homólogo. Os encerramentos registados entre Janeiro e Outubro de 2017 desceram 3,3% em comparação com o mesmo período de 2016, apresentando uma redução consistente desde Abril.

Nas novas insolvências, o ciclo de descida iniciado em 2013 mantêm-se nos primeiros 10 meses de 2017, sendo generalizado aos vários sectores e regiões do país. A percentagem de empresas que cumpre os prazos de pagamento acordados (15,9%) registou a maior redução dos últimos dois anos e meio.

Desde Maio de 2017, o nascimento das empresas em Portugal registou valores acima de 2016. Este crescimento deve-se ao aumento de nascimentos nos sectores dos serviços, actividades imobiliárias, construção e alojamento e restauração, não se verificando no entanto uma tendência generalizada.

À semelhança de 2016, o distrito de Lisboa mantém a liderança no crescimento das constituições de empresas e outras organizações (+14,8%). Os distritos de Setúbal (+18,6%) e Faro (+19,0%) também apresentaram um crescimento nos primeiros nove meses de 2017. O distrito do Porto inverte a tendência decrescente de 2016, subindo já de forma mais significativa (+3,9%).

Após uma tendência instável no 1.º trimestre, desde Abril que encerraram menos empresas e outras organizações, traduzindo-se numa descida consistente até Outubro de 2017 de 3,3%, face ao período homólogo. No entanto, esta tendência traduz um abrandamento face à descida verificada em 2016 (-6,8%).

A maioria dos sectores e distritos desce ou mantém o número de encerramentos. Em destaque, encontra-se o distrito do Porto onde encerraram menos 259 empresas e outras organizações (-12,6%). O distrito de Lisboa (+176 encerramentos) mantém-se em contra-ciclo neste indicador.

Nos últimos 12 meses, o número de empresas criadas por cada uma que encerra foi de 2,5 (rácio nascimentos / encerramentos) valor ligeiramente superior ao verificado há um ano atrás (2,3). Os sectores com maior rácio de nascimentos / encerramentos são as actividades imobiliárias (5,5) e a agricultura, pecuária, pesca e caça (4,4).

A percentagem de empresas que pagam dentro dos prazos acordados (15,9%) piorou, sendo o valor mais baixo dos últimos dois anos e meio. O atraso médio de pagamento situa-se nos 26 dias, valor semelhante ao registado nos últimos 12 meses.

Veja também estas notícias

Recomendar
  • gplus
  • pinterest

Comentar este artigo

*