Voltar a ser humano – aprender com Lego

 Num mundo cada vez mais digital, é importante conseguir manter-se a humanidade nas organizações. As pessoas são a peça-chave neste processo, através das suas competências de resolução de problemas complexos, pensamento crítico, criatividade e inteligência emocional – é este lado humano (de ser, pensar e de agir!) que marcará a diferença das instituições.

 

Rita Oliveira Pelica, CEO & Founder ONYOU – Empowering & Learning Experiences e Certified Facilitator em LEGO® SERIOUS PLAY®

 

 

Há coisas que o digital não substitui. Há outras peças que estão também a contribuir para uma nova visão do processo de aprendizagem no séc. XXI. Uma nova forma de pensar (com bases de design thinking) e de comunicar (numa perspectiva participativa, partilhada e colaborativa). A metodologia LEGO® SERIOUS PLAY® está a revolucionar a forma como se aprende nas escolas e nas empresas. Aprender enquanto se brinca, criando experiências de aprendizagem para adultos! E boas memórias.

Desde a resolução de problemas ao incentivo à criatividade e à inovação são várias as áreas que podem ser exploradas com LEGO® SERIOUS PLAY®. Trabalha-se o desenvolvimento de indivíduos, equipas e organizações, melhorando o seu auto-conhecimento (skills building) e potencializando as suas performances. Através da integração de insights individuais que conduzirão a um compromisso colectivo de todos os vivem a experiência.

Esta “brincadeira” adultos é feita com uma intenção, um propósito! O de gerar valor perante os desafios que se vão colocando às pessoas. O método baseia-se no conceito de handstorming – na geração de ideias, na construção de conhecimento, através de modelos de LEGO (prototipando em 3D). Algo muito prático, hands on! Neste caso, as peças de LEGO servem para criar metáforas: para conceitos, ideias de negócio, desenvolver novos produtos e/ou serviços e resolver problemas concretos – de uma forma rápida, criativa e intuitiva. E com uma base de neurociências subjacente. Pensar com as mãos permite desbloquear conhecimento do qual o cérebro não está consciente – a construção de conhecimento com as mãos (a perspectiva construtivista de Piaget) permite a sua verbalização (hand knowledge).

O processo é simples e é conduzido por um facilitador – não é um formador nem é um consultor! É alguém credenciado que assume uma postura isenta na condução das sessões e que dá voz aos participantes, procurando que estes estejam imersos na sua zona de conforto com a sua imaginação a fluir (o flow de Mihaly Csikszentmihalyi), O facilitador dá instruções (colocando questões) aos participantes e estes vão construindo a sua história (storybuilding), com peças de LEGO. De seguida, todos partilham a sua história (storytelling). De uma base de modelos individuais, parte-se para a complexidade dos modelos partilhados. De seguida faz-se uma reflexão conjunta, celebrando-se a inteligência colectiva e a diversidade de pensamentos e de perspectivas! E a produção de novos conhecimentos.

Uma das grandes vantagens da metodologia é a sua flexibilidade, podendo ser utilizada em contextos empresariais ou académicos. Para as empresas é particularmente interessante utilizar esta ferramenta em processos de recrutamento & selecção, comunicação, cultura organizacional, design thinking, estratégia, liderança e inovação. Pode funcionar também com uma lógica de team building, para reforçar o engagement das equipas – pois tem uma vertente lúdica e pedagógica. Nas universidades a ferramenta está a ser utilizada por jovens recém-licenciados e por profissionais em cursos executivos, sendo muito útil para design de carreira – permitindo que se trabalhe a marca pessoal com modelos de negócio pessoais. É uma excelente forma de se criar self awareness!

Aprender com LEGO é algo muito emocional e estimulante. Capta a nossa atenção e cria memórias. É voltar ao universo de criança, onde já fomos felizes.

E permite-nos voltar a ser humanos.

 

Veja também estas notícias.

Recomendar
  • gplus
  • pinterest

Comentar este artigo

*