6 erros que atrapalham a produtividade

Num mercado cada vez mais exigente e competitivo, assegurar uma elevada produtividade é fundamental. E para isso não basta ter bons equipamentos ou contratar mais colaboradores.

Na verdade, o desempenho das equipas está directamente relacionado com vários outros factores que envolvem organização, método, objectivos, qualificação, liderança e o uso de soluções tecnológicas. É preciso manter o foco nos resultados e no capital humano. Porém, algumas situações podem atrapalhar a gestão de produtividade. Confira quais são erros mais comuns cometidos pelas pequenas e médias empresas (PMEs):
1. Processos não padronizados
Processos não padronizados prejudicam o rendimento das equipas pois, quando não há uma rotina de trabalho definida, surgem as dúvidas, os atrasos, os improvisos, a perda de tempo e as falhas na execução. Assim, é essencial mapear todos os processos internos, identificando as principais dificuldades e obstáculos. Deste modo, é possível definir novos fluxos e responsabilidades, eliminando desvios e actividades que não agregam valor. E por meio desta reestruturação, a empresa conquista mais agilidade e eficiência.
2. Metas inatingíveis
A construção de um plano de metas faz parte da gestão da produtividade. É fundamental que essas metas sejam ambiciosas, mas realistas. Caso contrário, podem criar frustração. Para garantir o compromisso dos colaboradores, é aconselhável fazer com que participem da definição dos objectivos a atingir.
3. Comunicação interna insuficiente
A qualidade da comunicação interfere directamente no desempenho das equipas e, por isso, os gestores devem explorar todos os canais internos à sua disposição para manter os colaboradores informados sobre a actualidade da empresa, prioridades e resultados.
4. Falta de investimentos em soluções tecnológicas
As soluções tecnológicas são aliadas da gestão da produtividade. Sistemas integrados, dispositivos móveis e aplicações podem simplificar o dia a dia das equipas. Através destas soluções é mais fácil eliminar desperdícios, reduzir custos, organizar processos, automatizar tarefas, gerir o conhecimento e estabelecer uma comunicação eficiente e dinâmica.
A tecnologia também contribui para a desenvolvimento dos profissionais, através da partilha de notícias, e-books, vídeos, palestras e aulas, aos quais podem ter acesso rapidamente num smartphone ou num tablet. E é preciso lembrar, ainda, que a tecnologia é indispensável para a tomada de decisões acertadas, oferecendo uma visão completa do negócio, em tempo real.
5. Microgestão
A microgestão acontece quando o gestor centraliza o poder de decisão e passa a actuar diretamente na operação. Neste caso, existe uma sobrecarga e o planeamento estratégico acaba por ser negligenciado. É preciso delegar tarefas, tendo por base a meritocracia e o bom desempenho. Ao mesmo tempo, contribui-se para o desenvolvimento e motivação dos colaboradores.
6. Clima organizacional negativo
Um clima organizacional negativo costuma ser resultado de uma gestão autoritária, que provoca sérios impactos no rendimento e na motivação dos colaboradores. Por isso, é fundamental apostar em práticas relacionadas a capital humano. Programas de formação, políticas de remuneração atractivas, plano de carreira, benefícios flexíveis e sistemas de recompensas devem ser considerados. Uma liderança humanizada e colaborativa é igualmente determinante para uma gestão de produtividade bem-sucedida.
Fonte: Guia Empreendedor

Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

MULTIPUBLICAÇÕES

Marketeer
Android aposta em marca mais inclusiva
Automonitor
Novo EV Concept『45』da Hyundai vai a Frankfurt