Barómetro: Profissionais especializados precisam-se

Cerca de metade dos inquiridos do Barómetro Human Resources considera que não há em Portugal profissionais especializados suficientes para alimentar os centros de competências e de serviços que se estão a instalar no país.

Por Ana Leonor Martins

 

Diversas multinacionais reconhecidas internacionalmente estão a em investir em Portugal, escolhendo o nosso país para instalar os seus centros de competências. É já em Junho que a gigante tecnológica norte-americana Google vai instalar um hub tecnológico em Oeiras. Em Maio passado, a Mercedes escolheu Lisboa para abrir um centro de competência e a CGI inaugurou em Sintra o Cloud Innovation Center; em Junho a Accenture inaugurou em Braga o seu novo centro de tecnologia; em Outubro a Uber anunciou Lisboa como sede do novo centro de excelência europeu; em Novembro, foi a alemã Zalando (plataforma de moda online) a revelar a intenção de vai criar um centro tecnológico na capital; a Amazon está a negociar a entrada no país. Há cerca de um mês, o secretário de Estado da Internacionalização revelou que Portugal está a disputar a dez centros de competências e 24 centros de serviços partilhados com outros países da Europa.

Depois de o tema ter estado em destaque num dos almoços de Conselho Editorial, com as opiniões a divergirem, quisemos abrir a “discussão” ao painel de especialistas do Barómetro Human Resources. É um facto irrefutável que Portugal está na rota de grandes multinacionais. Mas o que será que atrai estas empresas? Haverá profissionais suficientes para os alimentar? Só para o hub tecnológico da Google prevê-se a criação de 500 postos de trabalho. E que tipo de profissionais procuram, mão-de-obra barata ou especializada? É este o principal tema desta 18.ª edição.

Numa outra perspectiva, não das multinacionais que vêm para Portugal, mas das empresas portuguesas, procuramos perceber se estão preparadas para gerir e assegurar a continuidade do negócio. E quais serão as ameaças que os gestores consideram mais prementes a essa continuidade?

Para além da pergunta de carácter trimestral, sobre a projecção para a evolução do número de colaboradores, questionámos ainda o painel sobre um tema que interfere no dia-a-dia das empresas, devido ao surgimento de novas cada vez mais notório de formas de trabalho: estará a legislação preparada para dar resposta ou as empresas têm que ser “criativas” para dar resposta ao que os novos profissionais procuram?

 

Mão-de-obra barata e competências

Em termos do que é que atrai as empresas que estão a escolher Portugal como país de destino para instalar ou seus centros de competências e de serviço, as respostas dividem-se: enquanto 29% dos inquiridos acredita que é a mão-de-obra barata, exactamente a mesma percentagem defende que são as competências especializadas que têm influenciado a escolha das multinacionais. Para 24% são os custos de implementação que mais pesam na decisão, sendo que factores como a localização segurança, a segurança, os incentivos fiscais ou o baixo custo de vida, na opinião dos inquiridos, não assumem grande relevância.

 

Conheça todos os resultados na edição de Abril da Human Resources Portugal.

Veja também estas notícias.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

MULTIPUBLICAÇÕES

Marketeer
Automonitor
Primeiras impressões ao volante do novo Skoda Scala