Cinco tendências para os escritórios do futuro

O design do local de trabalho tem vindo a ganhar importância crescente. Desde recriar o conforto do lar aos avanços da realidade virtual, perspectiva-se que os escritórios do futuro sejam muito diferentes daqueles a que nos habituámos.

 

Embora ainda objecto de debate, a questão da importância do design do local de trabalho tem ganho uma atenção crescente com os avanços da tecnologia e a produção de novos tipos de mobílias e acessórios. Estas inovações ajudam a repensar e a ter uma reacção disruptiva, através de novas associações ao termo «local de trabalho» e do aspecto que este deve ter.

Por exemplo, a fila de cubículos apertados e desconfortáveis ou uma empresa repleta de mobílias de madeira escura são, definitivamente, “coisa” do passado. Os escritórios de amanhã podem ter um estilo minimalista ou luxuoso, neutral ou colorido, com objectivos feitos à mão e polidos, mas sempre a pensar no conforto e no bem-estar.

O foco está na habilidade de improvisar um espaço para todos, mas reconhecendo o valor individual dentro do espaço de trabalho. O tema em 2018 é a vitalidade: não encarar o escritório como algo que simplesmente toleramos, mas como um local onde nos sentimos a recarregar baterias e cheios de possibilidades. Neste sentido, existem cinco tendências:

 

Tornar o escritório mais verde.
2017 foi um ano em que se popularizou trazer plantas e elementos exteriores para dentro do escritório. Desde jardins no telhado até paredes com cursos de água e bamboo ou madeira, o contacto com a natureza era o essencial para a saúde e bem-estar dos colaboradores. Já foi provado que estar no meio da natureza traz benefícios em vários níveis para as equipas para se sentirem calmos, criativos, mais felizes e com mais saúde.

Este ano, as empresas vão mais longe, para lá dos jardins verticais e os passeios chiques com relva, para aplicar a ideia do “verde” em todos os processos: energias renováveis como fonte de energia, sistemas de água, purificação de ar, sistemas de desvio de dióxido de carbono, alimentação por fornecedores locais e bebidas nos lounges e cantinas, lugares e benefícios para bicicletas, carros eléctricos e serviços de partilha de lugares, entre outras inovações.

 

Mais texturas
Com a nova tendência dos escritórios minimalistas e dos layouts neutros, as texturas vão tornar-se numa forma dos escritórios incluírem um lado mais descontraído e divertido. As texturas aumentam os elementos sensoriais de uma sala e podem evocar um nostálgico conforto caseiro nos espaços do dia-a-dia. As empresas podem considerar, por exemplo, cadeiras com pele de ovelha, paineis de parede com tecido acústico, divisores de parede côncavos, tapetes grossos e cestos feitos à mão.

 

As cores do ano
Nas paletes para 2018, a Pantone tem propostas para todos, ora direccionadas para jovens startups de tecnologias, ora para marcas clássicas ou as empresas estabelecidas. Alguns exemplos “engenhosos”: combinação de azuis e laranjas que jogam como opostos na roda das cores, enquanto mantêm a combinação fresca e brilhante, ideal para marcas arrojadas; outras empresas irão preferir a palette “intrincada”, com tons metálicos neutrais para os polidos e futuristas; a palete “rebuscada” expande a cultura organizacional com inspirações globais, com cores brilhantes a preencher espaços de armazenamento, tecidos de cadeiras, paredes ou espaços.

 

Inclusão e acessibilidade
Algumas empresas criativas estão a testar novas formas de melhorar a acessibilidade para indivíduos, especialmente aqueles com dificuldades motoras. Por exemplo, a Panasonic introduziu cadeiras de rodas autónomas no aeroporto de Tóquio para testar os avanços para os Jogos Olímpicos de 2020. Os visitantes vão ser capazes de chamar uma cadeira com alguns cliques numa aplicação.

Para os surdos, o dispositivo de tradução em tempo real da UNI vai ajudar os colaboradores a participar nas reuniões e nas interacções com os colegas de trabalho. Quanto aos designs e layouts, secretárias de tamanho ajustável, cadeiras que se adaptam, espaços para horas de estudo e relaxamento, tecnologias de assistência e aquisição vão ajudar a criar ambientes onde todos os géneros de colaboradores se vão sentir motivados. A introdução de modelos B2B vão ajudar as grandes empresas a reconhecer, valorizar e melhorar as necessidades de colaboradores com necessidades.

 

Tecnologias avançadas incluídas nos espaços
A realidade aumentada (AR) e a realidade virtual (VR) estão timidamente a ganhar terreno. Ainda não foi atingido o ponto de ruptura para a aceitação, mas está a demonstrar-se um recurso útil na apresentação de modelos de desenvolvimento de produtos, de pitching ou reuniões imersivas com stakeholders noutros países. Para equipas de marketing e vendas, por exemplo, a AR e a VR podem ajudar a fechar acordos com chamadas “cara a cara”, dando a sensação de que “estiveram mesmo lá”. No recrutamento, uma tour virtual do escritório pode tornar-se a norma. A questão é se os espaços serão exclusivamente dedicados a actividades VR e AR ou se estas actividades serão integradas em cada secretária. Ainda terá de se averiguar.

 

Uma coisa é certa, o mundo vai testemunhar mudanças no mundo do trabalho e a forma como os espaços são “desenhados” está incluída. É a ponta o iceberg. Resta ver o que vem a seguir.

 

Fonte: Jeff Pochepan, presidente Strong Project, em Inc.

 

Veja também estas notícias.

Recomendar
  • gplus
  • pinterest

Comentar este artigo

*