Como contratar o talento certo?

O propósito é importante no processo de recrutamento, pois proporciona ao potencial candidato uma compreensão mais aprofundada da empresa e da respetiva cultura e modo de trabalho.

Por Sílvia Nunes, directora da Michael Page

 

Actualmente, é cada vez mais difícil para as empresas recrutar os melhores talentos disponíveis, e a principal ferramenta para atrair potenciais candidatos – a descrição das funções – pode estar a funcionar a desfavor. Há diversas formas de divulgar uma oferta de emprego, nomeadamente os anúncios, que devem ser optimizados para se adaptarem a um mundo que exige mais transparência.

Os candidatos devem conseguir compreender a sua função, conhecer a respectiva missão e saber realmente o que os espera ao trabalharem em determinada empresa. Anúncios de emprego que reflectem a realidade de uma organização podem motivar os potenciais candidatos a saber mais sobre a empresa, o que contribui para reduzir o tempo necessário para o recrutamento e melhora a capacidade de atrair candidatos que estão activamente à procura de um projecto.

No futuro, o recrutamento será mais automatizado. No entanto, o objectivo não é substituir o elemento humano na cadeia de valor, é dar-lhe apoio e expandir as suas capacidades. A tecnologia ajudará a aumentar as competências das pessoas ao acelerar os processos de selecção. Também irá contribuir para a eliminação de equívocos na mensagem do empregador – nos anúncios de emprego, na comunicação interna e nas comunicações para o exterior.

O principal elemento a reter é que todas as partes têm de trabalhar em conjunto para melhorarem os processos actuais, de forma a reflectirem o futuro do recrutamento que a tecnologia pode proporcionar. Se os dados introduzidos pelo lado humano não melhorarem, os dados produzidos pela máquina não atingirão os objectivos colectivos propostos.

O avanço da tecnologia permite também uma maior qualidade dos testes psicométricos, outra das formas utilizadas no recrutamento. Estes favorecem uma pré-seleção de candidatos mais rigorosa e uma melhor pré-qualificação, assim como um recrutamento mais equitativo e inclusivo, devido a uma correcta avaliação da compatibilidade entre empregador e colaborador.

Ter um propósito não é uma resposta universal, mas as informações que se disponibilizarem acerca da equipa, da função ou da divisão ajudam as empresas a definir a sua missão. Ao partilhar informação de forma transparente, a organização que está a contratar contribui para a promoção da função e, também, para ajudar o parceiro de recrutamento a compreendê-la mais profundamente, conseguindo assim selecionar os melhores candidatos.

Assim, a missão da empresa torna-se cada vez mais fundamental – quer na sua criação, quer na disseminação para o mercado. O propósito é importante no processo de recrutamento, pois proporciona ao potencial candidato uma compreensão mais aprofundada da empresa e da respetiva cultura e modo de trabalho. O propósito também ajuda os gestores de Recursos Humanos a enquadrar uma função no contexto mais amplo da empresa, o que ajuda os recrutadores a promoverem a função junto de um público mais vasto. No entanto, este não precisa de estar traduzido num documento formal. Pode simplesmente ser transmitido nas acções diárias da empresa.

O futuro do recrutamento passa, necessariamente, pela mudança nas formas utilizadas para atrair o melhor e mais adequado talento para as organizações e para garantir a realização pessoal dos colaboradores.

Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

MULTIPUBLICAÇÕES

Marketeer
Artigos de pele portugueses inspiram campanha
Automonitor
Renault apostada na eletrificação em 2020