O impacto da Inteligência Emocional nas empresas

No mundo profissional actual cada vez mais rápido e competitivo, aquele que se conhece melhor e aos seus estados emocionais, que entende melhor os outros e que sabe responder ao meio à sua volta de forma mais eficiente, estará melhor preparado.

 

Por Paulo Moreira, fundador do Treino Inteligência Emocional®

 

Decorria o ano de 1995 e o psicólogo Daniel Goleman, formado em Harvard e escritor do “The New York Times”, deu a conhecer ao público e às empresas um novo tipo de inteligência, através da publicação do seu livro “Inteligência Emocional”. Nessa obra, o autor mostra que o QI (quociente de inteligência), medida de inteligência que incide principalmente em competências verbais e no raciocínio abstrato e lógico, não é a única medida do sucesso profissional, como era vista por muitos até então.

Este tipo de inteligência descreve-se pela capacidade de identificarmos, reconhecermos e gerirmos as nossas emoções, bem como reconhecer, gerir e influenciar as emoções das pessoas à nossa volta. E porque é que estas competências são tão importantes?

As nossas emoções estão presentes em todas as nossas decisões e afectam a forma como percepcionamos as situações à nossa volta, podendo afectar a nossa cognição e até transformar um estímulo positivo, num estímulo negativo.

Imaginemos um colaborador que tem um líder com o qual não tem um bom relacionamento, sentido que as suas acções têm sempre uma segunda intenção. Nessa situação, um sorriso genuíno do líder é percepcionado como um sorriso cínico. A atribuição de maiores responsabilidades, mesmo que seja dada como forma de atribuição de confiança, é percepcionada como um castigo e uma maior carga de trabalho.

Se o colaborador não conseguir reconhecer e entender os seus estados emocionais e a sua percepção do líder, não ganhará consciência de como essa informação está a ser distorcida, com base na sua percepção. E essa percepção mais distorcida, leva a um estado emocional negativo, aumentando a probabilidade do colaborador ter comportamentos mais prejudiciais no local de trabalho, afectando o seu desempenho.

Por outro lado, se o líder não conseguir reconhecer, gerir e influenciar o estado emocional do seu colaborador, vai apenas observar o resultado final negativo, ganhando também uma pior percepção do colaborador. Os dois vão estar a relacionar-se com percepções distorcidas, cada um deles com um sentimento incorrecto de que as mesmas se devem a observações objectivas.

Num estudo elaborado na American Express Financial Advisors, verificou-se que o ensino de competências de consciência emocional aos consultores financeiros, onde aprenderam a identificar as suas próprias reacções emocionais em situações de desafio e a ficarem mais conscientes dos seus discursos internos improdutivos, resultou num aumento das receitas por consultor (Chermiss & Goleman, 2001).

A inteligência emocional também nos ajuda a lidar com o stress, que é um tema comum na vida profissional e que, quando se torna crónico, afecta a saúde, o sentimento de bem-estar e o desempenho dos colaboradores. Num estudo organizacional feito por Slaski e Cawright, em 2003, foram comparados gerentes que receberam treino em inteligência emocional, um dia por semana durante quatro semanas, com gerentes num grupo de controlo que não receberam nenhum treino deste tipo. Os resultados do estudo indicaram que os gerentes que receberam o treino mostraram um aumento médio de 10,5% na moral da equipa e uma redução média de 11,1% por cento em stress relacionado com o trabalho. Um treino curto, com resultados rápidos.

No mundo profissional actual cada vez mais rápido e competitivo, aquele que se conhece melhor e aos seus estados emocionais, que entende melhor os outros e que sabe responder ao meio à sua volta de forma mais eficiente, estará melhor preparado.

 

Referências bibliográficas
Chermiss, C. & Goleman, D., 2001. The Emotionally Intelligent Workplace: How to Select For, Measure, and Improve Emotional Intelligence in Individuals, Groups, and Organizations. s.l.:Jossey-Bass.

 

Veja também estas notícias.

Recomendar
  • gplus
  • pinterest

Comentar este artigo

*