Os novos modelos de trabalho: estamos preparados?

Está a emergir uma nova forma de trabalhar e as questões são muitas: trabalho por projecto, maior flexibilidade, no limite sem ter que ir ao escritório… Como se organiza tudo isto? A quem se reporta. E, estão as empresas preparadas? Foram algumas das questões do Crossfire, um dos momentos da XVI Conferência Human Resources, que se realizou ontem, sobre “As Organizações do Futuro”.

 

O Crossfire abordou o tema dos “Novos Modelos de trabalho”, com as intervenções de Alexandra Líbano Monteiro (directora de Recursos Humanos da OutSystems), Ana Bernardes (directora de Recursos Humanos da Accenture), Maria Antónia Cadilhe (directora de Recursos Humanos da Sonae MC), Marco Costa (director-geral da Talkdesk), Nuno Ferreira Morgado (sócio principal da PLMJ) e Paula Castelão (directora de Recursos Humanos da The Navigator Company), e moderação de Diogo Alarcão (CEO da Mercer) e Leonor Martins (coordenadora Editorial da Human Resources Portugal).

Sobre os novos modelos de negócio, Ana Bernardes considera que «as empresas estão muito preparadas. Tudo o que tem a ver com a transformação tecnológica, o digital, a cloud, o big data, todo este novo contexto em que as organizações se movimentam obriga a que se alterem os modelos de gestão de pessoas. Claramente as organizações que ainda não estão com algum grau de maturidade rapidamente vão ter de se adaptar porque é uma questão de sobrevivência».

Já Paula Castelão tem mais dúvidas, e faz uso de uma metáfora para explicar a sua visão: «Imagino um iceberg à minha frente. Se olhar para a parte visível, vejo as acções de training, mais evoluídas, mas se olhar na parte escondida, ainda vejo as chefias que se sentem mais fortes se tiverem organogramas rígidos e que têm alguma dificuldade em lidar com as emoções das suas equipas. Neste sentido, diria que as empresas ainda não estão preparadas para estes novos modelos de negócio».

Marco Costa dá o exemplo da Talkdesk para explicar que «além de tudo o resto, temos de estar preparados para tempos de permanência dos colaboradores nas empresas cada vez mais pequenos. Será que é possível que a gestão consiga tirar partido daquilo que as pessoas podem contribuir para apostar no desenvolvimento e termos tempos de permanência maiores? Eu espero que sim».

Nuno Ferreira Morgado, por outro lado, faz notar que «já existem nos EUA máquinas a trabalhar como juízes, a produzir sentenças. É claro que no final do processo há uma pessoa que valida essa sentença. No entanto, em Portugal, estamos a anos-luz-disso», ressalva.

Maria Antónia Cadilhe conta que «na Sonae MC já existe inteligência artificial em muitos processos, nomeadamente na formação. Há também flexible options. Sabemos que o nosso negócio está a passar por grandes transformações e sentimos efectivamente que estamos diferentes. Sentimo-lo nos clientes e também nos colaboradores, independentemente de questões geracionais».

Por tratar-se de um negócio de tecnologia, «a OutSystems está bastante avançada em muitos aspectos», refere Alexandra Líbano Monteiro. «Temos a particularidade de ser um negócio a crescer internacionalmente e distribuído. Ou seja, tudo o que tem a ver com equipas distribuídas, trabalho remoto a partir de casa, flexibilidade de horários e comunicação por via tecnológica nas mais variadas formas, é realmente a nossa forma de operar. Temos vindo a aprender que clareza nos objectivos que queremos atingir é fundamental porque a criatividade possa acontecer».

Falou-se também na importância do propósito da empresa, da importância da blended life, de organogramas holográficos, do facto da legislação não estar alinhada com estes cenários e ter que ir “atrás da realidade”, de novos tipos de liderança, com novas competências, e muito mais.

Antes do Crossfire, teve lugar um momento de humor, protagonizado pelos Improváveis, que fizeram uma apresentação sobre “Futuros (Im)Prováveis”, com base em participações do publico e palavras e frases-chave que foram ditas pelos oradores ao longo da manhã, resultando num momento hilariante.

 

 

 

Não perca, na edição de Janeiro da Human Resources, a reportagem completa do evento.

Veja também estas notícias.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

MULTIPUBLICAÇÕES

Marketeer
Automonitor
Primeiras impressões ao volante do novo Skoda Scala