Por que devem as empresas promover o trabalho flexível?

A flexibilidade no horário de trabalho é hoje uma prioridade para os colaboradores e a verdade que o horário “normal” de trabalho está a deixar de existir. Tendo isto em mente, a Sage apresentou sete razões para os líderes empresariais aceitarem os benefícios de um trabalho flexível.

 

De acordo com um estudo da Sage, mais de 80% dos 3500 colaboradores inquiridos, a nível mundial, dão importância e valorizam a possibilidade de um trabalho flexível e remoto. E no Reino Unido, por exemplo, já só 6% dos colaboradores cumprem horários ditos “normais”.

Assim, a Sage defende que o trabalho flexível deveria ser o foco de todas as empresas. «Desde ajudar na retenção de talentos à criação de experiências de trabalho positivas – considerado importante por 92% das pessoas – os seus benefícios a curto e a longo prazo poderão vir a revelar-se inestimáveis»,  afirma-se.

Apresenta assim sete razões para as empresas promoverem o trabalho flexível:

1. O mundo laboral mudou
Tornou-se prática comum, por exemplo, a realização de reuniões virtuais ou a interecção com pessoas em fusos horários diferentes, o que dificulta cumprir um horário “rígido” de trabalho. Para terem com colaboradores motivados e envolvidos, as empresas devem estar preparadas para aceitar esta mudança no mundo do trabalho,  promovendo a flexibilidade.

2. Ajuda a atrair e reter talentos
É cada vez mais difícil atrair e reter talento, e muitas indústrias debatem-se com a falta de mão-de-obra qualificada. E para muitos destes talentos a flexibilidade é um factor-chave. Por exemplo, um estudo recente mostrou que 54% das pessoas considerariam mudar de emprego se tal significasse maior flexibilidade. No actual ambiente empresarial altamente competitivo, esta poderá ser a diferença entre o sucesso e o fracasso.


3. Estimula a produtividade
A maioria das pessoas que trabalha 40 horas semanais refere que sente ser produtiva apenas em 3,75 dias, dos 5 dias em que trabalha. A pesquisa da Sage mostra que os colaboradores normalmente trabalham apenas 30 horas por semana, o que significa que existe um dia em que estão presencialmente, mas não efectivamente a trabalhar.


4. Mostra que a empresa confia nos colaboradores
A pesquisa da Sage revelou também que os colaboradores desejam sentir-se valorizados e reconhecidos, e 66% dos inquiridos considera que este é o aspecto mais importante do seu dia-a-dia no trabalho. Dar a liberdade de trabalharem à sua maneira, mostra-lhes que são um membro valorizado e de confiança da equipa, motivando-os a mostrar resultados.


5. Melhora o bem-estar
Mais de um terço dos colaboradores entrevistados pela Sage (39%) consideram que os Recursos Humanos e as equipas responsáveis pelas pessoas poderiam fazer mais para melhorar o bem-estar no trabalho, com iniciativas como a oferta de fruta ou financiar a adesão ao ginásio. Neste caso, o trabalho flexível pode ajudar a reduzir o stress.


6. É uma exigência dos colaboradores
De acordo com a Fuze, quase 50% dos trabalhadores, de todas as gerações, queriam ter maior mobilidade no seu trabalho, e esta percentagem cresce para 70% nos trabalhadores entre os 16 e os 44 anos de idade.


7. A tecnologia mudou
Não é preciso estar fisicamente no escritório para se ser competente no trabalho. Actualmente, a maior parte dos colaboradores dispõe de tudo o que precisa no seu smartphone ou tablet, o que significa que podem trabalhar a partir de qualquer lugar, e em qualquer altura. Por exemplo, a cloud permite aos colaboradores o acesso seguro a documentos a partir de uma localização externa, e as ferramentas colaborativas e de comunicação permitem o trabalho em grupo, mesmo entre membros que se encontrem em diferentes países.


Veja também estas notícias.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

MULTIPUBLICAÇÕES

[vc_multibar_post nc_mp_bar_revive=”JTBBJTNDc2NyaXB0JTIwdHlwZSUzRCUyN3RleHQlMkZqYXZhc2NyaXB0JTI3JTNFJTNDJTIxLS0lMkYlMkYlM0MlMjElNUJDREFUQSU1QiUwQSUyMCUyMCUyMHZhciUyMG0zX3UlMjAlM0QlMjAlMjhsb2NhdGlvbi5wcm90b2NvbCUzRCUzRCUyN2h0dHBzJTNBJTI3JTNGJTI3aHR0cHMlM0ElMkYlMkZtdWx0aXB1YmxpY2Fjb2VzLWFkcy5jb20lMkZ3d3clMkZkZWxpdmVyeSUyRmFqcy5waHAlMjclM0ElMjdodHRwJTNBJTJGJTJGbXVsdGlwdWJsaWNhY29lcy1hZHMuY29tJTJGd3d3JTJGZGVsaXZlcnklMkZhanMucGhwJTI3JTI5JTNCJTBBJTIwJTIwJTIwdmFyJTIwbTNfciUyMCUzRCUyME1hdGguZmxvb3IlMjhNYXRoLnJhbmRvbSUyOCUyOSUyQTk5OTk5OTk5OTk5JTI5JTNCJTBBJTIwJTIwJTIwaWYlMjAlMjglMjFkb2N1bWVudC5NQVhfdXNlZCUyOSUyMGRvY3VtZW50Lk1BWF91c2VkJTIwJTNEJTIwJTI3JTJDJTI3JTNCJTBBJTIwJTIwJTIwZG9jdW1lbnQud3JpdGUlMjAlMjglMjIlM0NzY3IlMjIlMkIlMjJpcHQlMjB0eXBlJTNEJTI3dGV4dCUyRmphdmFzY3JpcHQlMjclMjBzcmMlM0QlMjclMjIlMkJtM191JTI5JTNCJTBBJTIwJTIwJTIwZG9jdW1lbnQud3JpdGUlMjAlMjglMjIlM0Z6b25laWQlM0QxMDIlMjIlMjklM0IlMEElMjAlMjAlMjBkb2N1bWVudC53cml0ZSUyMCUyOCUyNyUyNmFtcCUzQmNiJTNEJTI3JTIwJTJCJTIwbTNfciUyOSUzQiUwQSUyMCUyMCUyMGlmJTIwJTI4ZG9jdW1lbnQuTUFYX3VzZWQlMjAlMjElM0QlMjAlMjclMkMlMjclMjklMjBkb2N1bWVudC53cml0ZSUyMCUyOCUyMiUyNmFtcCUzQmV4Y2x1ZGUlM0QlMjIlMjAlMkIlMjBkb2N1bWVudC5NQVhfdXNlZCUyOSUzQiUwQSUyMCUyMCUyMGRvY3VtZW50LndyaXRlJTIwJTI4ZG9jdW1lbnQuY2hhcnNldCUyMCUzRiUyMCUyNyUyNmFtcCUzQmNoYXJzZXQlM0QlMjclMkJkb2N1bWVudC5jaGFyc2V0JTIwJTNBJTIwJTI4ZG9jdW1lbnQuY2hhcmFjdGVyU2V0JTIwJTNGJTIwJTI3JTI2YW1wJTNCY2hhcnNldCUzRCUyNyUyQmRvY3VtZW50LmNoYXJhY3RlclNldCUyMCUzQSUyMCUyNyUyNyUyOSUyOSUzQiUwQSUyMCUyMCUyMGRvY3VtZW50LndyaXRlJTIwJTI4JTIyJTI2YW1wJTNCbG9jJTNEJTIyJTIwJTJCJTIwZXNjYXBlJTI4d2luZG93LmxvY2F0aW9uJTI5JTI5JTNCJTBBJTIwJTIwJTIwaWYlMjAlMjhkb2N1bWVudC5yZWZlcnJlciUyOSUyMGRvY3VtZW50LndyaXRlJTIwJTI4JTIyJTI2YW1wJTNCcmVmZXJlciUzRCUyMiUyMCUyQiUyMGVzY2FwZSUyOGRvY3VtZW50LnJlZmVycmVyJTI5JTI5JTNCJTBBJTIwJTIwJTIwaWYlMjAlMjhkb2N1bWVudC5jb250ZXh0JTI5JTIwZG9jdW1lbnQud3JpdGUlMjAlMjglMjIlMjZjb250ZXh0JTNEJTIyJTIwJTJCJTIwZXNjYXBlJTI4ZG9jdW1lbnQuY29udGV4dCUyOSUyOSUzQiUwQSUyMCUyMCUyMGlmJTIwJTI4ZG9jdW1lbnQubW1tX2ZvJTI5JTIwZG9jdW1lbnQud3JpdGUlMjAlMjglMjIlMjZhbXAlM0JtbW1fZm8lM0QxJTIyJTI5JTNCJTBBJTIwJTIwJTIwZG9jdW1lbnQud3JpdGUlMjAlMjglMjIlMjclM0UlM0MlNUMlMkZzY3IlMjIlMkIlMjJpcHQlM0UlMjIlMjklM0IlMEElMkYlMkYlNUQlNUQlM0UtLSUzRSUzQyUyRnNjcmlwdCUzRSUzQ25vc2NyaXB0JTNFJTNDYSUyMGhyZWYlM0QlMjdodHRwJTNBJTJGJTJGbXVsdGlwdWJsaWNhY29lcy1hZHMuY29tJTJGd3d3JTJGZGVsaXZlcnklMkZjay5waHAlM0ZuJTNEYTgzYzMyNTUlMjZhbXAlM0JjYiUzRElOU0VSVF9SQU5ET01fTlVNQkVSX0hFUkUlMjclMjB0YXJnZXQlM0QlMjdfYmxhbmslMjclM0UlM0NpbWclMjBzcmMlM0QlMjdodHRwJTNBJTJGJTJGbXVsdGlwdWJsaWNhY29lcy1hZHMuY29tJTJGd3d3JTJGZGVsaXZlcnklMkZhdncucGhwJTNGem9uZWlkJTNEMTAyJTI2YW1wJTNCY2IlM0RJTlNFUlRfUkFORE9NX05VTUJFUl9IRVJFJTI2YW1wJTNCbiUzRGE4M2MzMjU1JTI3JTIwYm9yZGVyJTNEJTI3MCUyNyUyMGFsdCUzRCUyNyUyNyUyMCUyRiUzRSUzQyUyRmElM0UlM0MlMkZub3NjcmlwdCUzRSUwQQ==”]